quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Autor de relatório do FMI envolvido em escândalo por falsa identidade


Autor de relatório do FMI envolvido em escândalo por falsa identidade

Espanhol Carlos Mulas escrevia sob pseudónimo de Amy Martin e era pago a peso de ouro por Fundação do PSOE, da qual era diretor

Por:
   |   2013-01-23 16:09

O nome ficou conhecido em Portugal devido a posições controversas de Carlos Mulas-Granados, um dos autores do relatório do FMI sobre Portugal, que lançou o debate sobre a reforma do Estado. O espanhol é socialista e já tinha lançado uma campanha contra a austeridade, o que contradiz o que vem inscrito no texto da organização internacional. Hoje, Mulas volta a ser notícia por estar envolvido num escândalo com consequências políticas.

Para além de colaborador do Fundo Monetário Internacional, o economista era também diretor da Fundação Ideas, que é presidida por Alfredo Pérez Rubalcaba (líder do PSOE). E Mulas «era» diretor porque foi destituído do cargo ao início da tarde desta quarta-feira, depois do partido ter comprovado que tinha sido alvo de fraude por parte do então respeitável senhor.

Mulas inventou Amy Martin, uma pretensa especialista em assuntos globais que escrevia artigos para o site da Fundação. Artigos pagos a peso de ouro - e esse dinheiro tem agora de ser devolvido, cerca de 50 mil euros relativos a 2010 e 2011.

A destituição foi confirmada oficialmente pelo vice-presidente da Ideas, Jesús Caldera, que também já avançou para a rescisão do contrato com Mulas: «Tomámos esta decisão depois de verificarmos as informações que apontam para a falsa autoria de uma série de trabalhos pagos pela Fundação a quem assinava com o nome Amy Martin».

No seu ponto de vista, trata-se de uma «gravíssima quebra de confiança depositada em quem até hoje foi diretor da Fundação». «A sua atuação é inconcebível, tanto pelo seu nível intelectual, como pelo seu excelente currículo académico, mas também porque desde segunda-feira tinha vindo a desmentir reiteradamente uma versão contrária ao que se verifica agora», lamentou, ordenando uma «investigação exaustiva» à gestão de Carlos Mulas.

A destituição surge na sequência de notícias publicadas pelo jornal «El Mundo», que denunciaram a identidade falsa de de Amy Martin, uma especialista que cobrava três mil euros por artigo e escrevia de assuntos tão variados como a felicidade ou o cinema nigeriano, mas também a crise da zona Euro, com pontos de vista similares ao de Mulas, no fundo o autor original.

O jornal chegou à conclusão que a analista política cobrava 16 cêntimos por caractere escrito em espanhol e 10 em inglês. Amy Martin tinha marca comercial e logotipo, que estavam registados por Carlos Mulas. Confrontado pelo «El Mundo», o economista nunca reconheceu a fraude, disse ter-se cruzado «apenas uma vez» com a «autora» e chegou a fornecer um email e número de telemóvel americano para a contactarem. Tudo falso e desvendado.

Apresentação do Consultor do FMI que foi expulso por Corrupção


PSOE | Destituido por cobrar bajo una articulista fantasma

Carlos Mulas publicó un libro contra la corrupción

Carlos Mulas, junto a Jesús Caldera, que lo ha destituido como director de la Fundación Ideas. | Javier Lizón / Efe
Carlos Mulas, junto a Jesús Caldera, que lo ha destituido como director de la Fundación Ideas. | Javier Lizón / Efe
  • El creador de Amy Martin aseguraba que para combatir la corrupción la clave era 'reducir los espacios' de oportunidad para que se produzca
Carlos Mulas, quien creó una identidad falsa para cobrar de la fundación del PSOE que él mismo dirigía por escribir artículos bajo el nombre de Amy Martin, publicó en 2011 un libro contra la corrupción. El ahora director de la Fundación Ideas, destituido fulminantemente por el PSOE tras las prácticas publicadas en EL MUNDO, centra la obra en la situación de Iberoamérica pero cuyas conclusiones, según la propia fundación, trascienden "las fronteras de una determinada región".
El trabajo se titula 'Corrupción, cohesión social y desarrollo: El caso de Iberoamérica', y fue realizado por un grupo de expertos bajo la dirección de Mulas, que es también profesor titular de la Universidad Complutense de Madrid, y por José Antonio Alonso, catedrático de este mismo centro.
La Fundación Ideas mantiene en su web una breve reseña del libro. En ella se explica que es un análisis "en profundidad" del problema de la corrupción, sus causas y "modos de combatirla". "Por la oportunidad y relevancia del tema y por el rigor con que se aborda, el libro constituye una aportación relevante en el panorama internacional", se añade.
También se habla de la obra en la página en Internet del Fondo de Cultura Económica, editor del libro. Se explica que una de las conclusiones del trabajo es que la corrupción "se resiste a desaparecer" y que "ningún país" está libre de ella, por lo que el objetivo no debe ser tanto tratar de eliminarla como "reducir los espacios" para que se produzca.
"Reducir los espacios de oportunidad que el marco institucional proporciona al surgimiento de prácticas corruptas, creando mecanismos para identificar, perseguir y penalizar esas prácticas. El presente libro analiza en profundidad este problema", se dice en la web.

En la oficina económica de Zapatero

Mulas es todo un experto en economía. Durante la etapa de José Luis Rodríguez Zapatero en La Moncloa fue subdirector de la Oficina Económica del presidente del Gobierno, dirigida entonces por Miguel Sebastián, posteriormente ministro de Industria.
Según destaca en su propia página web, de su trayectoria "resaltaría" que es Doctor en Economía por la Universidad de Cambridge (Reino Unido), tiene un máster en Relaciones Internacionales por la Universidad de Columbia (EEUU) y es Doctor miembro del I.J. March en Ciencias Sociales (España).
Debido a su gran currículum, Mulas era considera una persona de prestigio en el partido. De hecho, el líder de los socialistas madrileños, Tomás Gómez, lo incluyó en el grupo de 14 sabios creado para que le asesoraran durante la última campaña electoral de las elecciones autonómicas del año 2011.
En su trayectoria profesional de los últimos años recoge que es profesor titular de Economía en la Universidad Complutense de Madrid y consultor del FMI. Asimismo, es bloguero del diario 'El País', donde escribe sobre economía. Aún destaca en su web que es director de la Fundación Ideas, aunque ahora tendrá que añadir que es "ex", tras inventarse a la fabulosa Amy Martin.

Este Senhor Carlos Mulas é simplesmente um dos responsáveis pelo Relatório do FMI sobre Portugal: tudo gente séria...
















Mulas escribió un libro sobre corrupción

El director de la Fundación Ideas, vinculada al PSOE, ha sido cesado

Mulas publicaba artículos bajo el nombre de Amy Martín para cobrarlos después él

El exdirector de la Fundación Ideas, Carlos Mulas, destituido por haber creado una identidad falsa y cobrar de su propia empresa por publicar artículos bajo el nombre de Amy Martín, publicó en 2011 un libro contra la corrupción, una obra centrada en la situación de Iberoamérica pero cuyas conclusiones, según la propia Fundación, trascienden "las fronteras de una determinada región".
El trabajo se titula Corrupción, cohesión social y desarrollo: El caso de Iberoamérica, y fue realizado por un grupo de expertos bajo la dirección de Mulas, que es también profesor titular de la Universidad Complutense de Madrid, y por José Antonio Alonso, catedrático de este mismo centro.
La Fundación Ideas mantiene en su web una breve reseña del libro. En ella se explica que es un análisis "en profundidad" del problema de la corrupción, sus causas y "modos de combatirla". "Por la oportunidad y relevancia del tema y por el rigor con que se aborda, el libro constituye una aportación relevante en el panorama internacional", se añade.
También se habla de la obra en la página en internet del Fondo de Cultura Económica, editor del libro. Se explica que una de las conclusiones del trabajo es que la corrupción "se resiste a desaparecer" y que "ningún país" está libre de ella, por lo que el objetivo no debe ser tanto tratar de eliminarla como 'reducir los espacios' para que se produzca. "Reducir los espacios de oportunidad que el marco institucional proporciona al surgimiento de prácticas corruptas, creando mecanismos para identificar, perseguir y penalizar esas prácticas. El presente libro analiza en profundidad este problema", se dice en la web.
El vicepresidente de la Fundación Ideas, Jesús Caldera, ha destituido a Mulas al "verificar" que creó la identidad de Amy Martín para publicar artículos por los que cobraba a esa misma organización, vinculada al PSOE.

New York Times retrata a pobreza em Portugal - Globo - DN

New York Times retrata a pobreza em Portugal - Globo - DN

domingo, 20 de janeiro de 2013

O Problema é a Mediania


O problema é a MEDIANIA
Ouvi na TV que em média os reformados da Caixa Geral de Aposentações ganham mais 20% do que os reformados da Segurança Social. É possível que seja verdade. Com efeito, um grande número dos pensionistas da Segurança Social é dos regimes não contributivos, isto é, os seus empregadores e eles próprios não descontaram nunca para a reforma. Injustamente (diga-se em abono da verdade) estes pensionistas, que trabalharam (muitos deles), que contribuíram para a riqueza das empresas onde trabalharam, recebem menos do que uma migalha como reforma. É natural que essa miséria que recebem provoque uma descida acentuada da média que lhes diz respeito.
Só que a média é uma mentira. Cada um de nós faz parte de muitas médias. Da média dos homens ou das mulheres (pode dizer-se que, em média, as pensões dos homens talvez sejam mais elevadas do que as das mulheres), da média dos que residem no Norte ou no Sul do país, etc., etc. As médias a que pertencemos (as distribuições possíveis) não nos definem, nós é que as definimos.
Uma pessoa que ganha mil euros de pensão, pela CGA, ganha tanto como uma pessoa que ganha mil euros, pela Seg. Social, um homem que ganha mil euros ganha tanto como uma mulher que ganhe mil euros, e isto independentemente da distribuição em que sejam inseridos, ou da média que seja calculada para cada uma.
A igualdade a que a Constituição se refere é a que determina a relação do Estado com cada cidadão e não com a média da distribuição, onde oportunisticamente o queiram inserir.
O problema é que a mediania atacou violentamente e sem cura à vista os líderes políticos e os líderes de opinião.

sábado, 12 de janeiro de 2013

Para que Deve Servir a Filosofia?

A filosofia tem que denunciar a origem e a conservação de uma "cultura democrática", onde a produção de "ideias" é absorvida pelo imperativo de as considerar como mercadorias de rápida circulação e renovação, sujeitas aos critérios de "sensibilidade do mercado" e de "interesse dos media". Com efeito, a filosofia não tem nada a ver com a opinião e com a discussão ou argumentação como forma de determinar as opiniões mais "razoáveis" ou mais "justas". A filosofia não pode, não deve, submeter-se às forças dos novos sofistas dos nossos tempos, e deve remeter os debates proposicionais para os gabinetes e laboratórios linguísticos. A filosofia é uma atividade criadora, uma atividade vital, que busca o sentido (uma dimensão sem referência) da realidade vital e da busca da verdade, ou, se se quiser da estética criativa (e não só da criação estética, como se poderia erradamente pensar). Criar é resistir, é fuga ao conformismo, à miséria programada que nos envolve. Filosofar é mostrar vergonha, vergonha dos homens, vergonha de ser homem, e não só por causa das grandes catástrofes (as guerras e atrocidades em geral), mas também pela extrema mediocridade do pensamento, pelo discurso de um homem de Estado, por um programa de TV. Filosofar não é argumentar para definir que opiniões são racionalmente sustentáveis. Filosofar não é deixar tudo como está, depurando, de tudo o que é, aquilo que merece ser. Porque isso é a manifestação mais subtil da mediocridade do pensamento humano.

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Despesa social e com salários abaixo da média europeia - Portugal - DN

Despesa social e com salários abaixo da média europeia - Portugal - DN

O Novo Espírito Olímpico e a Espiral Recessiva

"Cortem-lhes as pernas e mandem-nos correr" esta é a palavra de ordem do Governo português, do FMI, etc. Por exemplo:

  • reduzam-se os salários dos portugueses e depois aprovem-se aumentos das propinas no ensino superior. Com efeito, todos nós sabemos que, assim, se diminuirá o número de alunos nas universidades e os correspondentes custos, haverá aumento do desemprego de professores do ensino superior, e os seus filhos não poderão pagar as propinas, reduzindo de novo os custos das universidades, etc, etc.... até que, finalmente as universidades só sejam frequentadas pelos filhos de famílias importantes. Já não têm pernas? Não sejam piegas! Ponham-se a correr.
  • reduzam-se os salários dos portugueses e depois aprovem-se aumentos nas taxas moderadoras para acesso aos serviços de saúde. Já há pessoas a comprar medicamentos diretamente nas farmácias, sem a contribuição do SNS, porque lhes fica mais barato do que pagar a parte que lhes diz respeito do custo do medicamento e as taxas moderadoras para acesso aos serviços de saúde. Mais tarde ou mais cedo, a saúde dos portugueses piorará e muitos acabarão por morrer antes de chegar à idade da reforma. Já agora, reduzam-se também as pensões dos reformados e aumentem-s-lhes os custos com a saúde. Esta é uma verdadeira medida estrutural. Por si só, reduz os custos no imediato e continua a reduzi-los automaticamente no futuro por via da redução do tempo de vida disponível para receber as pensões. 
Cortem-se, portanto, as pernas aos portugueses e ponham-nos a correr. E, se se queixarem, chamem-lhes piegas que é para ver se reagem. Por exemplo:
  • privatize-se a gestão e a propriedade das escolas públicas, despeçam-se professores, reduzam substancialmente os salários dos que fiquem e veremos aqueles alunos que, depois, serão os mesmos que vão ter dinheiro para pagar as propinas das universidades, a ir para outras escolas. Se isto não for suficiente, e não será certamente, a acreditar nas doutas opiniões de técnicos insuspeitos, ponham os pais a pagar as salas de estudo, os apoios educativos e todas as atividades que não tenham a ver com o currículos restrito e tudo se resolverá.
  • criem-se as condições favoráveis para o aumento do desemprego, e, logo que seja possível, quando a coisa atingir proporções alarmantes, cortem-se os subsídios de desemprego. Muitos desempregados acabarão por morrer mais tarde ou mais cedo, para quê estar a gastar dinheiro com eles?
Há quem pense que esta propaganda governamental, oficial (dos seus membros) e oficiosa (dos comentadores) é anti-social, o mesmo é dizer sociopata. Há quem pense que um desbaste populacional é sempre uma medida útil. Por exemplo, se os idosos morrerem mais cedo, a desproporção entre pouplação ativa e pensionistas reduzirá drasticamente, mesmo sem aumento de natalidade e, sobretudo (o mais importante) sem aumento da população ativa. A proporção é isso mesmo, essa coisa que nos permite aumentar o rendimento, a população, etc. reduzindo aquilo que não tem interesse para quem manda. Só que, há uns tempos atrás, a medida mais popular e eficiente era declarar e fazer a guerra contra um outro país qualquer. Morriam uns tantos de um lado e outros tantos do outro lado, e os países voltavam a crescer. 
Cortar as pernas ao povo e depois mandá-lo correr talvez seja um subtileza de cretinice galopante, e, como subtil que é, talvez seja um avanço civilizacional cretino que alguns consideram mais evoluído do que a guerra. 
Não quero tomar partido nesta eventual polémica: mas talvez não fosse mau pensar nisto.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Conhecimento 1

Quem disse que há falta de transparência?


O consórcio francês Vinci ganhou a privatização da ANA, escolhido pelo governo do primeiro-ministro Pedro Passos Coelho. O assessor jurídico da Vinci em Portugal foi o advogado José Luis Arnaut, ex-secretário-geral do PSD, ex-ministro do PSD. Há um mês, José Luis Arnaut foi escolhido pelo governo de Passos Coelho para o assessorar na privatização da TAP, um negócio com aspectos interdependentes do da privatização da ANA.. (Ler artigo de Pedro Gaião no Expresso digital de 2 de Janeiro)